Entendendo o Setembro Amarelo: a importância da saúde mental no ambiente de trabalho

6 minutos para ler

Um novo mês começou e, junto com ele, a época da campanha de prevenção ao suicídio, também conhecida como Setembro Amarelo.

A verdade é que, mesmo sendo de extrema importância, muitas empresas só dão destaque para a pauta da saúde mental nesta época do ano. Nossa missão aqui, no entanto, é te mostrar que ações como as de setembro não devem ser restringidas somente a 30 dias.

Como surgiu o Setembro Amarelo?

Em setembro de 1994, o jovem estadunidense Mike Emme cometeu suicídio, aos 17 anos. Ele tinha um Mustang 68 amarelo e, no dia do seu velório, familiares e amigos decidiram distribuir cartões amarrados em fitas amarelas com frases de apoio para pessoas que pudessem estar precisando de ajuda. 

Essa ideia deu origem ao movimento de prevenção ao suicídio, e o laço amarelo foi escolhido como o símbolo dessa luta.

Desde então, nessa época do ano todos os veículos de comunicação, empresas, escolas e universidades dão bastante atenção para o assunto e promovem ações em prol da saúde mental.

Dados atualizados sobre saúde mental no Brasil

A campanha do Setembro Amarelo se faz cada vez mais importante principalmente porque conversar sobre essa pauta ainda é um tabu, sobretudo entre os mais velhos.

Além disso, até o final de 2022, o Conselho Federal de Enfermagem (COEN) alertou que o Brasil estava enfrentando uma pandemia de saúde mental, impulsionado pelos 2 anos de isolamento social, pela perda de familiares para a COVID-19, pelo medo do vírus e pela ansiedade causada por inúmeros fatores, dentre eles a instabilidade nos empregos.

Ainda, de acordo com uma pesquisa da Organização Mundial da Saúde, o Brasil é líder no mundo em prevalência de transtornos de ansiedade.

Dados divulgados em 2023 apontam que 26,8% dos brasileiros receberam diagnóstico médico de ansiedade. Um terço (31,6%) da população mais jovem, de 18 a 24 anos, é ansiosa. 12,7% relatam já terem recebido diagnóstico médico para depressão.

Como gestores podem atuar de forma efetiva no cuidado com a saúde mental dos colaboradores

Garantir que os profissionais tenham qualidade de vida, não somente dentro do escritório, também é responsabilidade dos gestores.

Por isso, existem algumas ações que podem ser colocadas em prática para prover um ambiente de trabalho saudável e, consequentemente, o bem-estar das equipes. São elas:

1 – Fomente um ambiente de trabalho inclusivo e motivador: faça com que os funcionários se sintam à vontade para expressar suas preocupações e buscar apoio. Cultive a empatia, a colaboração e a valorização do bem-estar mental, buscando a assistência de profissionais especializados quando necessário.

2 – Promova uma comunicação aberta e transparente acerca da saúde mental: busque desmistificar estigmas e aumentar a conscientização sobre o tema, encorajando a participação dos funcionários em programas e treinamentos relacionados à saúde mental.

3 – Considere a inclusão de recursos internos ou externos no planejamento financeiro da empresa: facilite o acesso a esses recursos e garanta sua utilização de forma confidencial, tais como programas de aconselhamento, terapia, sessões de meditação ou práticas de mindfulness.

4 – Conceda aos colaboradores a oportunidade de exercer autonomia e controle sobre suas atividades: estimule a definição de metas claras e estabeleça um senso de propósito, permitindo que os funcionários se sintam realizados e engajados.

5 – Supervisione a carga de trabalho dos colaboradores: assegure-se de que ela seja equilibrada e gerenciável. Evite sobrecarregar os funcionários com tarefas excessivas ou prazos irrealistas. Promova uma cultura que valorize o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

6 – Estimule os funcionários a fazer pausas regulares durante o dia e a aproveitar eficazmente seu tempo de descanso: reconheça a importância de um sono adequado e implemente políticas que incentivem o equilíbrio entre trabalho e descanso.

7 – Conduza pesquisas periódicas para avaliar o clima organizacional e a satisfação dos colaboradores: utilize esses dados para identificar áreas de aprimoramento e implementar medidas que promovam a saúde mental no ambiente de trabalho.

8 – Proporcione treinamentos específicos sobre saúde mental para líderes e gestores: capacite-os a identificar sinais precoces de problemas de saúde mental, oferecer apoio adequado e encaminhar os colaboradores para os recursos apropriados.

Marketing de Causa: como a empresa pode ter um posicionamento consciente a respeito da saúde mental?

Quando o mês de setembro começa, é muito comum que muitas empresas desenvolvam campanhas e ações sobre a prevenção ao suicídio e conscientização sobre saúde mental.

Contudo, é preciso que essas estratégias sejam feitas com cautela e tenham um posicionamento consciente a respeito do assunto. Para isso, existe o Marketing de Causa.

O Marketing de Causa é a reunião de estratégias que envolvem tanto esforços sociais quanto individuais e ambientais para contribuir de alguma forma com a sociedade.

Ele desempenha um papel crucial na aproximação entre consumidores e marcas, especialmente em momentos como este, em que a comunidade se mobiliza em prol da saúde. Nesses momentos, é fundamental que a mensagem transmitida pela marca seja significativa e não vazia.

Contudo, existe uma linha tênue entre apoiar uma causa e explorar um posicionamento que não condiz com a verdade da organização. Por isso, mais do que se preocupar em participar de todas as campanhas de conscientização, é importante que a empresa tenha um olhar atento ao respeito e empatia, e só fale daquilo que está relacionado ao comportamento mantido o resto do ano.

Além disso, o posicionamento de uma marca tem a responsabilidade de ir além dos momentos em que campanhas como Setembro Amarelo estão em evidência. Ações contínuas ao longo do ano são valorizadas pelos consumidores e, de fato, contribuem para o apoio às causas.

Na The Foursales Company, foi implementado um benefício em parceria com a Moodar para trazer conhecimento, através de ações, rodas de conversas e treinamentos, bem como democratizar o acesso a psicoterapia, ofertando o serviço para todos da empresa e do nosso círculo social a um preço acessível.

No aplicativo da Moodar, os colaboradores podem ter sessões de psicoterapia, possuem uma ferramenta de acompanhamento de humor e testes diversos sobre níveis de ansiedade, concentração, inteligência emocional, entre outros.

Ainda, eles têm acesso a uma série de exercícios úteis em áreas diversas, como meditação, 100 respirações, alongamento, memorização, fala em público e finanças.

Se a sua empresa ainda não se posiciona a respeito de pautas importantes e, de fato, coloca esses posicionamentos em prática ao longo do ano, é hora de mudar este cenário. Pare para refletir: como vocês podem contribuir com a sociedade ainda em 2023?

Compartilhe esse artigo:
Posts relacionados