Unboss: O que é e como aplicar o conceito, na prática?

5 minutos para ler

Você já parou para pensar como seria trabalhar sem ter um chefe? Quando pensamos sobre isso, a ideia parece ser utópica e muito distante de acontecer, mas não é verdade. Em 2012, surgiu o conceito de Unboss, e é sobre ele que você aprenderá hoje.

O Unboss está relacionado à ideia do trabalho em conjunto, sem que uma pessoa lidere outras. Isso significa dissipar o controle e revisar a estrutura hierarquizada com a qual todos já estão acostumados, de modo a dividir as responsabilidades, abraçar as falhas e trabalhar com transparência.

Esta é uma cultura sem chefes, mas que possui um líder, uma gestão compartilhada, que toma decisões em união, permite mais autonomia aos colaboradores e proporciona um ambiente psicologicamente saudável. Ou seja, o liderado exerce o papel de protagonista junto ao líder.

Priscilla Cotti, Diretora de RH e Comunicação da Sandoz, participou do programa Gestão de Pessoas, aprofundou sobre o assunto e compartilhou muitas dicas sobre a implementação do Unboss.

Para ela, a principal ferramenta para o funcionamento dessa ideia é o diálogo aberto. Nessa nova configuração, os líderes não precisam ser os “super-heróis” e os colaboradores têm o papel de expressar seus descontentamentos de forma construtiva. No fundo, a estrutura não muda, o que muda é como os funcionários a enxergam.

6 passos para implementar o Unboss com eficiência

Colocar em prática um conceito que faz o caminho contrário do que é normalmente visto nas organizações não é uma tarefa fácil. Por isso, é preciso que os profissionais da sua empresa também sejam trabalhados como parte da mudança. Eles precisam participar do que é proposto, dos bate-papos e serem ouvidos.

Além disso, existem 6 dicas fundamentais que auxiliam nesta jornada de aplicação do Unboss:

  1. Estude o conceito e veja se ele faz sentido dentro da sua corporação;
  2. Comece por onde for possível. Implemente pequenas mudanças, elas crescerão e se tornarão maiores. Converse, escute as pessoas, esteja próximo e receba feedbacks;
  3. Desenvolva a vulnerabilidade. Permita que os colaboradores compartilhem suas experiências, medos e respeite aqueles que não se sentem confortáveis para isso. Faça com que a comunicação no ambiente de trabalho se torne cada vez mais transparente;
  4. Trabalhe com palestras e treinamentos voltados ao tipo de público da sua empresa;
  5. Invista em uma boa estratégia de comunicação. Busque maneiras diferentes e atrativas de se comunicar, modernize a sua comunicação e reforce sempre que possível o conceito de Unboss;
  6. Aprenda com os erros. Se não funcionar, tente de novo.

Em que contextos a metodologia do Unboss não deve ser aplicada?

Apesar das dicas anteriores, é importante lembrar que, em alguns casos, este tipo de cultura não vai se encaixar na vivência da sua empresa.

Por isso, se você olha para dentro da corporação e percebe um corpo executivo que não acredita nisso e que possui valores e prioridades diferentes dessa questão de autonomia e vulnerabilidade, o Unboss dificilmente funcionará.

Ainda, é preciso entender se os seus gestores e líderes saberão lidar com o fato de serem questionados.

Contudo, não se esqueça: Não existe cultura certa ou errada, existe a que funciona para você.

As primeiras mudanças da Sandoz para aderir à nova cultura

Priscilla Cotti também compartilhou com o Gestão de Pessoas quais foram as pequenas mudanças implementadas na Sandoz para dar início ao processo de Unboss.

O primeiro passo foi escutar os colaboradores. Eles fazem um diálogo aberto com todos os colaboradores 1 vez por mês, para responder perguntas feitas anonimamente. Esse foi o termômetro para saber como a organização estava e onde precisava ser trabalhado.

Uma mudança maior, no entanto, foi a transformação do modelo de avaliação. Atualmente, a Sandoz possui uma ferramenta onde o gestor recebe os inputs do time e faz uma pesquisa de clima a cada 4 meses para avaliar o engajamento do time.

Neste novo modelo avaliativo, eles passaram a trabalhar o impacto que os profissionais geram no negócio.

Além disso, a empresa se empenha muito no conceito de equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Uma vez que você incentiva o colaborador a ser ele mesmo no local de trabalho, ele sabe que está em um ambiente seguro de mudança e se sente mais livre para questionar.

No final das contas, essa transformação cultural não é responsabilidade somente do time de Recursos Humanos, mas de toda a corporação. 

Quais são as principais vantagens do Unboss?

Uma vez que a empresa dá mais autonomia ao profissional e trabalha constantemente a questão do diálogo, os funcionários se tornam mais produtivos, engajados e sentem orgulho em pertencer à marca. Tudo isso é revertido em resultado. 

Essas evoluções podem ser observadas através do acompanhamento individual feito pelo RH com cada colaborador.

Além disso, o Unboss traz um aprendizado muito grande sobre as novas tendências de trabalho, como olhar para o futuro na construção de uma empresa e se adaptar às mudanças.

Contudo, é importante lembrar que toda mudança gera desconforto. O que você precisa fazer é trabalhar o motivo dessa transformação. As pessoas precisam entender porque essas mudanças estão ocorrendo no ambiente de trabalho e a importância disto. 

“No final do dia, o Unboss trata-se disso: empoderar os colaboradores, desmistificar a liderança, tirar a capa de herói dos líderes e distribuir as capas.”Rodrigo Sahd, Managing Director da The Foursales Company

Para aprender mais sobre este conceito, assista ao episódio Unboss: O que é e como aplicar o conceito na prática?, com Priscilla Cotti | Gestão de Pessoas #116.

Compartilhe esse artigo:
Posts relacionados